“O assunto é gorduroso, para não falar em excesso de sal e açúcar: o Ministério da Saúde reconheceu a rede de lanchonetes de comida rápida McDonald’s como ‘amiga da saúde'”

Começa assim a matéria no blog do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Segurança Alimentar e Nutricional – NESAN, ela foi extraída da página da FASE e mostra como os nosso colegas da área de alimentação receberam essa manifestação de afeto do Mnistério da Saúde sobre a rede internacional de lanches rápidos McDonalds. A continuação da matéria está a seguir:

O assunto é gorduroso, para não falar em excesso de sal e açúcar: o Ministério da Saúde reconheceu a rede de lanchonetes de comida rápida Mcdonalds como “amiga da saúde”.

Em resposta, a Frente pela Regulação de Publicidade de Alimentos, – da qual a Fase, o Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e muitas outras entidades da sociedade civil, além de instituição de pesquisa, fazem parte -, acaba de encaminhar carta ao ministro destacando que “Não se justifica, em hipótese alguma, o Ministério da Saúde associar sua imagem a de empresas como Mc Donald´s atribuindo-lhes o título de “Parceiro da Saúde”, uma vez que a sua principal atividade é a comercialização de alimentos que, em sua grande maioria, fazem muito mal à saúde.”

Em outra carta que acaba de chegar ao ministério, três professores decanos de nutrição também pedem a desvinculação das marcas do Ministério da Saúde com as do McDonalds. No documento, Carlos Augusto Monteiro, da USP; César Gomes Victora, Emérito da Federal de Pelotas, ambos membro da Academia Brasileira de Ciências e Malaquias Batista Filho, Emérito da UFPE e membro do Consea, destacam que na mesma toalha de mesa onde aparecem marcas do órgão público junto a campanha sobre vida saudável “há a reprodução do cardápio dos produtos oferecidos pela rede – sanduíches, batatas fritas, saladas, molhos, bebidas e sobremesas – com informações (em letras miúdas) sobre sua composição nutricional” e também “Abaixo do cardápio, há um quadro com o título: ‘Veja algumas informações nutricionais interessantes’. Neste quadro apresenta-se a composição nutricional do que, para a rede McDonald’s, seriam ‘outros alimentos do seu dia a dia’. Esses alimentos incluem ‘coxinha’, ‘empadinha’, ‘pastel’, ‘pizza’ e ‘feijoada tradicional’.”

De olho na saúde dos brasileiros, e observando que a influência de redes como o McDonalds tem modificado negativamente os hábitos alimentares, tanto as entidades quanto os especialistas da academia pedem ao governo coerência: unir a imagem do ministério responsável pela saúde pública a uma rede que colabora com o aumento de doenças vai na contramão de políticas que o mesmo ministério se esforça em desenvolver.

**Você pode se manifestar via Petição Pública
**Saiba mais sobre a Frente pela Regulação de Publicidade de Alimentos